Pular para o conteúdo

O que é Governança Corporativa?

    A governança corporativa surge como um meio de conduzir os negócios de forma ética. Suas teorias, princípios e razões são justificados por questões macro e microeconômicas, bem como buscam o aperfeiçoamento ao longo do tempo.

    Entende-se por governança corporativa a interação entre as partes interessadas, juntamente à maximização dos resultados esperados para cada uma, sem que ocorra prejuízo dos interesses individuais.

    Desse modo, pode-se afirmar que “a governança corporativa é um conjunto de práticas que têm por finalidade otimizar o desempenho de uma companhia, protegendo investidores, empregados e credores, facilitando, assim, o acesso ao capital”.

    Estrutura organizacional

    A organização de uma empresa tem seu início com a definição dos seus objetivos, que direcionarão as ações dos gestores e funcionários. Logo depois, é essencial entender a estrutura organizacional que a instituição terá. Todas as organizações são formadas por componentes, e os principais englobam:

    • Objetivos compartilhados;
    • Estrutura (divisão dos trabalhos e das tarefas, definição de regras);
    • Pessoas.

    Missão, visão e valores

    A gestão organizacional tem início com a definição do que a empresa é, ou seja, quais são seus princípios. Sendo assim, todas as organizações possuem uma base de características que devem ser definidas pelos gestores, sendo elas a missão, a visão e os valores, conforme o Diagrama.

    Figura 1: Diagrama – Caracterização da empresa

    A missão é entendida como a razão de ser da empresa, isto é, o propósito de existência de uma organização, deixando clara a personalidade e a razão de existir de uma empresa, tendo como foco seu mercado de atuação e os valores que defende.

    Em seguida deve ser definida a visão da empresa. Ela deve apresentar um quadro descritivo do que a organização quer ser no futuro distante. É entendida como um “sonho” que se deseja alcançar em um prazo muito longo. São premissas da visão: (1) Aderência a fatos, ou seja, as situações “sonhadas” devem ser possíveis; (2) Equilíbrio para os stakeholders, buscando favorecer suas necessidades, se possível, a fim de conseguir comprometimento; (3) Descrição concisa e focalizada.

    A definição dos valores traz à tona os princípios que regem a organização. Sendo assim, a ideia é que a empresa consiga listar valores que orientem seus funcionários e demais stakeholders a respeito de suas principais características.

    Indicadores de benefícios

    Os indicadores de benefícios relacionados à governança corporativa é um tema debatido no âmbito dos negócios e nas universidades. Em ambas as situações, o objetivo é semelhante: Estabelecer parâmetros que possibilitem criar indicadores que avaliem as práticas adotadas. Assim a medição da boa atuação de uma governança corporativa vem sendo debatida no meio acadêmico e profissional, na busca por maneiras de parametrizar a ferramenta.

    Um indicador que auxilia muito na avaliação da qualidade das práticas das empresas é o IGCBRA (Índice de Governança Corporativa). Esse indicador, formatado após diversos estudos internacionais, consiste em 15 perguntas que abarcam quatro categorias:

    • Transparência (disclosure);
    • Conselho de administração;
    • Conflitos de interesse;
    • Direitos dos acionistas.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Estamos online